Vereador Fábio Jorge afirma que o transporte coletivo urbano piorou depois da saída da família Nardelli

Segundo ele, a qualidade do transporte p√ļblico urbano não vai melhorar se não houver mudanças na forma de prestação do serviço.

Vereador Fábio Jorge afirma que o transporte coletivo urbano piorou depois da saída da família Nardelli

Um dos principais cr√≠ticos do projeto apresentado pelo prefeito Laerte Sonsin Jr., F√°bio Jorge afirma que o maior problema desse serviço é o contrato. Dessa forma, mesmo que a Prefeitura Municipal de Salto, complemente o custo real da passagem com um valor perto de R$ 1 milhão a cada m√™s, através de um subs√≠dio previsto na Lei Orçament√°ria; na opinião do vereador esse subs√≠dio j√° existe.

"O contrato foi feito em 2018 e ainda do jeito errado. Primeiro que a estimativa para utilização mensal de 550 mil passageiros prevista no contrato, nunca existiu e toda vez que tem menos passageiros que esse valor, a Prefeitura tem de socorrer financeiramente a empresa. Então, j√° existe de fato um subs√≠dio, porque a empresa recebe de alguma maneira, a cada vez que entra com um processo administrativo", complementa o vereador.

F√°bio Jorge defende que a Prefeitura abra di√°logo com a empresa Sou Salto, respons√°vel pelo serviço, para readequar o contrato firmado em 2018. De acordo com o vereador, a avaliação do serviço piorou desde que a empresa atual assumiu no lugar da Auto Ônibus Nardelli, que atendeu a cidade por mais de 50 anos. Essa avaliação foi feita com base numa ferramenta criada pelo vereador, chamada de "Fiscal do Busão", na qual os usu√°rios do sistema, através de um n√ļmero de WhatsApp, avaliam e pontuam a qualidade do transporte p√ļblico, de atrasos nas linhas e até problemas nos ve√≠culos.

Do outro lado da linha, a Prefeitura de Salto informou por meio de nota que o contrato só pode ser revisto em casos excepcionais e que seria poss√≠vel até rescindi-lo nesse caso.

"Os usu√°rios reclamam muito do transporte p√ļblico, mas temos poucos dados. Os dados ficam com a empresa. Quero reunir o maior n√ļmero de reclamações para apresentar nas reuniões. Sempre a desculpa (da empresa) é de que não tem reclamações registradas. Agora ter√°", diz a parte da nota. Sobre as reclamações do vereador, a Prefeitura informa que as mudanças nos itiner√°rios foram realizadas tanto a pedido de usu√°rios, quanto dos vereadores, além de outras mudanças visando agilizar o itiner√°rio das linhas, evitando voltas desnecess√°rias

"As alterações agradam alguns e desagradam outros, mas deve-se ter em mente que as linhas são coletivas e atendem a trabalhadores de diferentes empresas e comércios, além de estudantes".

A Prefeitura ainda acrescenta que toma ci√™ncia dessas reclamações, através da Ouvidoria e observa-se que h√° uma redução gradativa dessas reclamações devido ao aumento dos hor√°rios e com novas linhas implantadas para atender novos bairros.

Voltando ao vereador F√°bio Jorge, no projeto de lei enviado à C√Ęmara de Vereadores e que ser√° votado nesta semana, h√° apenas a criação de um subs√≠dio anual de R$ 12 milhões de reais sem nenhum par√°grafo que ateste a melhoria da qualidade do sistema. Nem, ao menos, est√° anexado o estudo contratado pela Prefeitura, avaliando o valor da tarifa técnica. "Queria pelo menos esperar que o estudo da Prefeitura ficasse pronto. Meu medo é que esse um milhão de reais (estimativa mensal de subs√≠dio) se tornem dois ou tr√™s milhões de reais, nos próximos anos", disse ele.

O contrato tem vig√™ncia até o ano de 2028 e até l√°, o vereador promete uma intensa cobrança para que ele seja revisto. "Temos mais alguns anos de contrato e precisamos tentar alguma coisa. Ter√≠amos de acionar o Ministério P√ļblico ou a Prefeitura tentar um acordo com a empresa".