Pintado na Brasa, uma tradição que se foi...

Centenas de pratos eram comercializados ao final da década de 60, na cidade de Salto.

Pintado na Brasa, uma tradição que se foi...

O prato mais tradicional e conhecido da culinária do rio Tietê é o "Pintado na brasa com Arroz à grega". Desde meados da década de 1960, em frente à Cachoeira do Salto, um restaurante batizado como "Restaurante do Salto" imperou por anos. Seu primeiro proprietário, Sr. Olindo Rondina, possuía também um outro restaurante especializado em peixes: o famoso "Mirante do rio Piracicaba". Nas paredes do Restaurante do Salto, lindos quadros feitos pelo artista plástico saltense Flávio Pretti; verdadeiras obras de arte com temática voltada ao rio. Naquela época, para cá vinham turistas de todo o estado, todos atrás do tal 'Pintado na Brasa'. Éramos de fato uma estância turística e ainda não tínhamos nenhuma noção disso. Sem saber, a cidade gerava renda e centenas de pratos eram comercializados a cada final de semana.


Tanto assim era, que um segundo restaurante - o 'Mandilão', cujos proprietários eram os amigos Alberto André Ferrari e Nelson Mosca -, instalado no começo da rua 9 de julho, quase em frente ao hoje 'Paço dos Taperás' (atual biblioteca), também comercializava outras centenas de espetos daquele saboroso peixe de água doce. Isso apenas com folhetos impressos distribuídos na interminável fila de espera, que se formava a cada domingo do lado de fora do "Restaurante do Salto", todos aguardando mesas. Por volta de 1974, o Restaurante do Salto passou a ser administrado pelos saltenses Jorge Badi Martins e pelo então vereador Sérgio Zanni. No final da década de 70, pela exagerada poluição do rio Tietê, o "Restaurante do Salto" deixou de existir. Fechado por um bom período, até os quadros de suas paredes misteriosamente desapareceram.


O "Pintado na brasa" porém, continua o mesmo: cubos do lombo do peixe de couro tostados por fora, suculentos e macios por dentro, acompanhados de molho tártaro, batatas fritas e arroz à grega. Uma combinação fantástica! A cidade que já deixava de ser turística por causa da poluição do rio, perdia com o fechamento do restaurante, também seu prato mais típico. Mais uma tradição culinária, cuja poluição exagerada do rio Tietê, nos privou de saborear.


Hoje, 50 anos depois, se algum saltense quiser degustar um honesto e saboroso "Pintado na brasa" terá que ir até o Mirante Restaurante, do amigo chef Vado, em Piracicaba ou ainda no Restaurante Rosário, em Campinas.

Quem sabe, um dia teremos nosso principal prato típico de volta às mesas dos restaurantes cá da Terra de Tavares.