Salto fica em 567º lugar em ranking de transparência elaborado pela Controladoria-Geral da União, com nota 4,88

Das 691 cidades brasileiras pesquisadas, Salto tem a pior avaliação da região. A nota prova que não estamos fazendo direito a lição de casa.

Salto fica em 567º lugar em ranking de transparência elaborado pela Controladoria-Geral da União, com nota 4,88

A Prefeitura da Estância Turística de Salto está na posição 567 no Ranking de Transparência da 2ª edição da Escala Brasil Transparente (EBT) - Avaliação 360°, elaborado pela Controladoria Geral da União. A Escala Brasil Transparente - Avaliação 360º é uma inovação na tradicional metodologia de avaliação da transparência pública adotada pela CGU. Nesta edição houve uma mudança para contemplar não só a Transparência passiva, mas também a Transparência ativa (publicação de informações disponíveis na internet).

Ao todo, o ranking traz cerca de 691 municípios pesquisados. Salto obteve nota 4,88 ficando em 567º lugar no quesito transparência pública. Dos 18 requisitos de "transparência ativa", 10 não foram cumpridos. O relatório completo pode ser conferido AQUI. Na liderança do Ranking de Transparência da 2ª edição da Escala Brasil Transparente (EBT) - Avaliação 360°estão oito cidades com nota máxima, 10,0: Sobral (CE), Linhares (ES), Campo Grande (MS), João Pessoa (PB), Londrina (PR), Recife (PE), Mesquita (RJ) e São Pedro da Aldeia (RJ).


A Prefeitura de Sorocaba (SP) obteve a nota 9,8 no ranking, conquistando o 1º lugar entre os municípios do estado de São Paulo e o 20º lugar no ranking geral do Brasil, que contou com a participação de 691 cidades brasileiras. Sorocaba ficou à frente de diversas capitais brasileiras, como Brasília (DF), Porto Alegre (RS), São Luís (MA), Curitiba (PR), Teresina (PI), Salvador (BA), Florianópolis (SC), Cuiabá (MT), Goiânia (GO), Rio de Janeiro (RJ) e Belo Horizonte (MG).

A pontuação 4,88 da Estância Turística de Salto mostra como o site da prefeitura é ultrapassado e sem transparência. A Lei de Acesso à Informação Pública (Lei Federal nº 12.527, de 18 de novembro de 2011) tem por objetivo dar mais transparência às ações desenvolvidas pelo Poder Público Executivo, Legislativo e Judiciário, nos níveis federal, estadual e municipal. O cidadão ao consultar o site, deve ter à sua disposição todas as informações públicas. A transparência é o melhor antídoto contra a corrupção e funciona como mecanismo indutor de gestões públicas responsáveis e abertas à participação social.

Período de avaliação: de 01/04/2020 a 31/12/2020

A EBT - Avaliação 360º é composta de dois blocos, sendo um para análise de quesitos de transparência ativa e outro para os quesitos de transparência passiva. Foram avaliados todos os Estados, as capitais e os municípios com mais de 50 mil habitantes (com base nas estimativas de 2017, do IBGE). Ao todo, foram avaliadas 691 cidades. Ao avaliar os municípios com mais de 50 mil habitantes, a avaliação contempla os entes nos quais está concentrada a maioria da população brasileira. Os quesitos de Transparência Ativa foram avaliados entre abril e agosto de 2020 e considerou o período de agosto de 2019 a janeiro de 2020 como referência para a verificação das informações publicadas nos sites oficiais e portais de transparência. A avaliação da Transparência Passiva ocorreu no intervalo de junho a setembro de 2020. Os dados foram inseridos no sistema entre novembro e dezembro de 2020.