O PEQUENO JORNALEIRO por Claudiney Bravo

Você caminha pela geografia das ruas levando a notícia, Extra! Extra!

O PEQUENO JORNALEIRO por Claudiney Bravo

Passava o menino e a rua inteira se animava com seu bordão: - "Olha o Jornaleiro! Furaram a fila da vacina! Compra o Liberal!"

Pois é, menino, o seu escasso tempo de vida no tempo da história não captou essas sutilezas. Tudo passou muito rápido e tudo mudou num clique do tempo. Rasgue esses jornais, menino, eles já não existem mais. Se ainda sobra algum, é por uma teimosa teimosia do editor. Agora a moda é Live.

Ah, se por acaso fizer uma, pense no mundo que o rodeia, esconda-o e não fale mentiras. Talvez ainda não saiba, menino, mas ainda existe ganância e intolerância entre os homens de boa vontade. Ou naqueles que se travestem de boa vontade. Discretamente olhe ao lado e perceba a incompetência ao seu redor. Saiba também que a fraternidade é um fruto escasso de uma árvore muito rara, então deixe um pouco sua natural arrogância no armário.

Nesta sexta Santa, melhor é falar de paz, garoto. Melhor não falar sobre hospital, mortes desnecessárias, epidemias e pandemias, porque a dor só atrai mais dor. Falemos então de poetas e menestréis, cantemos silenciosamente canções de amor e paz. O dia é propício para isso. Traga-nos com seus jornais virtuais e sua eterna juventude a beleza que se derrama ao nosso redor, mesmo nesses tempos sombrios.

Saia por aí, enfeitando as ruas vazias e cinzentas com seu riso inocente e as cores alegres da sua roupa surrada. Grite pelas crianças sadias e que o sol retorna a cada manhã numa festa de luz e cores. Mesmo caminhando cabisbaixo pela geografia incoerente das ruas da cidade, um tanto faminto eu sei, pois a notícia agora chega num clique - asfalto e terra, sobe aqui desmonta ali, paralelepípedos e lama, sangue e poeira. Releve. Apesar dos pesares, pessoas de bem seguem em frente, amando e perdoando, semeando e protegendo, mesmo porque confiam numa cidade melhor.

Talvez então, garoto, os que habitam esse grão de areia perdido na imensidão do universo talvez reparem que a vida é uma dádiva Divina e nós temos o simples poder de tornar Salto, uma cidade melhor.

Para isso, basta não mentir e apenas falar a verdade nas lives.

Segue o enterro!

__________________________________________________

CLAUDINEY BRAVO é produtor cultural, designer gráfico, editor do TERRATAVARES e provocador político.