UM ORFÃO CHAMADO BRASIL por Cristovam Buarque

Em tempo de tormenta, a √Ęncora √© mais importante que b√ļssola e vela.

UM ORFÃO CHAMADO BRASIL por Cristovam Buarque

O Brasil est√° órf√£o: sem oxig√™nio, sem respons√°vel para cuidar do tratamento que precisa. O Brasil n√£o teve um respons√°vel que alertasse para os riscos da Covid-19. Ao contr√°rio, ouviu "n√£o fique em casa", "v√° para a rua", "é uma gripezinha" - o oposto do que dizem pai e m√£e preocupados com filho. O Brasil n√£o teve um l√≠der que o protegesse da doen√ßa e estivesse atento para obter e aplicar a vacina. Qualquer pai ou m√£e protege o filho, cuida para ele ficar em casa, usar m√°scara, √°lcool em gel, e o leva para tomar a vacina. O Brasil n√£o tem quem cuide dele neste momento em que est√° sofrendo os horrores de uma epidemia.

O Brasil est√° órf√£o. Mas a orfandade é anterior. Foi o Brasil órf√£o que deu milh√Ķes de votos de eleitores descontentes ao atual governante. O Brasil sentia-se abandonado: 12 milh√Ķes de analfabetos, 100 milh√Ķes sem rede de esgoto, 35 milh√Ķes sem √°gua e 12 milh√Ķes de desempregados. A periferia das grandes cidades j√° estava órf√£ h√° décadas. Desde a escravid√£o, a popula√ß√£o negra é órf√£. Desempregados, v√≠timas de viol√™ncia, doentes sem dinheiro, todos s√£o partes do órf√£o chamado Brasil. O Brasil é órf√£o por falta das reformas em suas estruturas arcaicas, que persistem desde a escravid√£o. De todos os erros e crimes cometidos pelos pol√≠ticos, o mais grave foi n√£o impedir que o Brasil escolhesse o atual governo. E agora cometem erro ainda maior ao n√£o apresentarem aos eleitores uma alternativa que empolgue, que mere√ßa confian√ßa e mais: que impe√ßa a continua√ß√£o da orfandade atual.

O atual governo aprofunda a orfandade por seu comportamento que nega a ci√™ncia, desmoraliza o pa√≠s no exterior, degrada o meio ambiente, descuida das prioridades do povo, defende o armamentismo e consequente viol√™ncia, regride no respeito aos direitos humanos, amea√ßa as conquistas democr√°ticas. O Brasil precisa de l√≠deres que cuidem dele com novas ideias. Para acabar com a orfandade do Brasil, basta adotar uma gera√ß√£o de crian√ßas, de todas as ra√ßas, em todos os endere√ßos e de todas as rendas. Esta gera√ß√£o adotada adotaria depois o Brasil com compet√™ncia e ética. É preciso barrar a marcha ao desastre de mais quatro anos dessa orfandade desastrosa. Para isso, os que desejam um novo rumo precisam entender que a hora é de coes√£o. Em tempo de tormenta, a √Ęncora é mais importante que a b√ļssola e a vela.

Precisamos unir os democratas, já no primeiro turno de 2022, com um candidato que transmita ao eleitor a capacidade de unir e manter as conquistas democráticas e presidir o debate dos candidatos que em 2026 apontarão suas propostas para o eleitor escolher o rumo que o Brasil deve seguir em direção ao futuro democrático, eficiente, justo, sustentável.

_______________________________________

CRISTOVAM BUARQUE é professor emérito da Universidade de Bras√≠lia, ex-senador da Rep√ļblica e escreve mensalmente para o TERRATAVARES.