Para cada dia da semana, um prato-feito diferente nos restaurantes, bares e botecos de São Paulo

Nos restaurantes e botecos da capital paulista, nem é necessário olhar o cardápio para saber qual o prato-feito servido segunda à sexta-feira.

Para cada dia da semana, um prato-feito diferente nos restaurantes, bares e botecos de São Paulo

Cada povo possui um tipo de culinária, um modo peculiar de preparar seus alimentos. Do ponto de vista cultural e folclórico percebe-se que, através de diferentes formas, misturas, temperaturas, odores e cores, os povos vão transformando os alimentos numa atração. Comer é conhecer, diz um antigo ditado. Desse modo, todas as culinárias do mundo representam formas de conhecimento. São sinais culturais transmitidos por meio do paladar, da visão, do olfato. São gostos, sensações, texturas, ou toques, que aguçam os desejos.

No estado de São Paulo, por exemplo, nos restaurantes, bares e botecos, para cada dia da semana existe um Prato Feito principal? Em muitas cidades do interior ou na capital paulista, o cidadão não precisa nem olhar o cardápio para saber qual será o Prato-Feito servido em cada dia da semana.


SEGUNDA-FEIRA.

Faça chuva ou sol, serve-se o famoso Virado à Paulista. Prato mais antigo do estado de São Paulo, sua origem remonta nas expedições dos Bandeirantes e continua sendo um dos mais pedidos nos bares e restaurantes de todo o estado. Não à toa, da mesma maneira que a receita sustentava os bandeirantes em suas expedições, certamente deixará qualquer um satisfeito, com arroz, tutu de feijão, bisteca, ovo frito, torresmo e banana frita. E não há nada melhor do que começar a semana com um prato que é patrimônio cultural imaterial do estado de São Paulo.


TERÇA-FEIRA.

Dobradinha, impossível ser indiferente a esse prato tradicional que aprendemos a fazer com os portugueses. Muitos brasileiros saboreiam a dobradinha com prazer, outros a abominam. Na receita brasileira, o ingrediente dominante é o rúmen - o maior dos quatro estômagos do boi - e ainda é costuma acrescentar costelinha de porco, vários tipos de embutidos, por vezes toucinho defumado, carne seca desfiada e necessariamente feijão branco. O resultado é um prato que, apesar de ser considerado da baixa gastronomia, proporciona riqueza nutricional, sem contar o explosivo sabor e o apetitoso aroma da combinação de seus ingredientes. Por que dobradinha na terça-feira? Uma hipótese é o fato de, no século passado, o abate dos bois ocorria quase sempre na véspera, ou seja, na segunda-feira. É incrível como um prato mergulhado em nossa melhor tradição culinária pode atiçar tantas reações de amor e de ódio. Alguns implicam com o cheiro, outros com a textura, para quem gosta tudo isso é deixado em segundo plano e o que importa é o prazer que proporciona do paladar. Ame-a ou odeie-a. Este parece ser o lema aplicado a Dobradinha


QUARTA-FEIRA

A Feijoada ainda carrega uma forte mitologia. Por muito tempo se considerava que a feijoada seria um prato 'inventado' nas senzalas. Os escravos cozinhariam o feijão preto (originário) da América com os restos de carne que os senhores de engenho desprezavam. Segundo o estudioso Câmara Cascudo, essa é uma hipótese absurda. Os portugueses não desprezavam essas carnes. E o que os escravos comiam era basicamente feijão com farinha. A Feijoada prato executado com técnica européia - similar aos Cozido à Portuguesa (Portugal), Cassoulet (França) e o Puchero (Espanha) - foi desenvolvido no final do século XIX, em restaurantes cariocas.

A típica Feijoada brasileira, porém, comporta muitas iguarias: feijão preto, toucinho de fumeiro, paio, lingüiças portuguesa e calabresa, outras carnes de porco salgadas e defumadas (orelhas, rabo, pés, costeletas suínas), carnes secas, temperos frescos e secos. Acompanha arroz branco, farinha de mandioca temperada, rodelas de laranja, torresmo, folhas de couve (bem fininhas) fritas no alho e óleo, e por fim uma boa cachaça da terra.

QUINTA-FEIRA

O Spaghetti é literalmente.envolvente. Prato feito da quinta-feira na maioria dos restaurantes e botecos da capital paulista. Essa iguaria milenar serpenteia em nossos sonhos gastronômicos e até nas telas de cinema. Quem não se lembra da cena de 'A Dama e o Vagabundo' com um beijo regado a spaghetti entre os cachorrinhos numa cantina italiana?

No Brasil, a introdução do Spaghetti coube aos imigrantes italianos, que chegaram no século XIX. O prato fez sucesso no Brasil, tanto por ser barato quanto por ser de fácil preparo. Nenhum outro prato estrangeiro teve tanta aceitação nas terras paulistas quanto o Spaghetti. Acompanhado com Frango ao molho, Bife à Rolê e/ou Almôndegas, o prato foi originalmente inspirado em pratos similares do sul da Itália, se tornou símbolo do Prato-Feito da quinta-feira.


SEXTA-FEIRA

O dia mais leve da semana, pelo menos no que diz respeito ao almoço do paulistano, é a sexta-feira, dia do tradicional Filé de peixe empanado e frito. Antigamente, por motivos religiosos, grande parte da população não comia carne nas sextas-feiras, talvez pela influência católica do país - e uma possível relação com a sexta-feira Santa. A opção então era apenas peixe. Hoje esse costume caiu em desuso e pouquíssimas pessoas fazem este jejum, mas a tradição dos restaurantes e botecos paulistas continua.

O fato é que o Prato Feito da sexta-feira, é um belo e apetitoso Filé de peixe empanado e frito acompanhado de purê de batatas, arroz, e uma salada de alface, tomate e cebola.


SÁBADO

No sábado a Feijoada novamente reina sozinha em qualquer restaurante, boteco ou bares do Brasil. Afinal depois de uma semana tão variada, o melhor mesmo é escolher um deles para fechar a semana.