Com aumento de eleitores de 16 e 17 anos e com mais de 70, total de aptos a votar será recorde, diz TSE

Quase metade dos eleitores est√° no Sudeste. Depois vem o Nordeste, Sul, Norte e Centro-Oeste.

Com aumento de eleitores de 16 e 17 anos e com mais de 70, total de aptos a votar será recorde, diz TSE

Contribu√≠ram para esse aumento os jovens de 16 e 17 anos e as pessoas com mais de 70. A quantidade de eleitores dessas faixas et√°rias - que não são obrigados a votar - aumentou em relação à eleição de 2018. Após uma intensa campanha do Tribunal Superior Eleitoral - TSE que envolveu influenciadores digitais, artistas e pol√≠ticos, o eleitorado de jovens de 16 e 17 anos cresceu 51,13%. Essa faixa et√°ria registrou 716.164 eleitores a mais que em 2018.

Houve ainda um aumento significativo dos eleitores com mais de 70 anos. Agora, são 14,8 milhões, o que representa 2,8 milhões (23,82%) a mais que no √ļltimo pleito. A maior parte do eleitorado é formada por mulheres. São 82,3 milhões de eleitoras, que representam 52,65% do total. Os homens são 74 milhões (47,33%).

Regiões:

O maior colégio eleitoral do pa√≠s é São Paulo, com 34.667.793 eleitores, ou seja, 22,16% do eleitorado. O estado com o menor n√ļmero de eleitores é Roraima, com 366.240 pessoas aptas a votar em outubro, o que corresponde a 0,23% do eleitorado brasileiro.As cinco cidades com os maiores colégios eleitorais do pa√≠s são: São Paulo (9.314.259); Rio de Janeiro (5.002.621), Bras√≠lia (2.203.045), Belo Horizonte (2.006.854) e Salvador (1.983.198). Os menores colégios eleitorais ficam nos munic√≠pios de Bor√°, em São Paulo (1.040 eleitores); Araguainha, em Mato Grosso (1.042 eleitores); Serra da Saudade, em Minas Gerais (1.107 eleitores); Engenho Velho, no Rio Grande do Sul (1.213 eleitores); e Anhanguera, em Goi√°s (1.234 eleitores). Entre os dez locais de votação com maior eleitorado do Brasil, quatro são de São Paulo, totalizando 66.656 eleitores. Outros tr√™s estão na Bahia - juntos, t√™m 49.947 eleitores.

Escolaridade

A maior parte do eleitorado tem o ensino médio completo. São 41,1 milhões de eleitores com essa formação. Outros 17,1 milhões j√° conclu√≠ram o ensino superior. H√° ainda 6,3 milhões de analfabetos.

Biometria

De acordo com dados do TSE, a maior parte do eleitorado j√° vai poder votar com a biometria, sistema que utiliza a digital para identificar eleitoras e eleitores e que confere maior segurança. Serão 118 milhões de brasileiros que poderão usar a ferramenta (75,52%) em outubro. Eleitores com defici√™ncia são 1,2 milhão.

Voto no exterior

Aumentou o n√ļmero de brasileiros que votam no exterior. O n√ļmero de eleitores aptos a votar neste ano alcançou a marca de 697.078, 39,21% a mais que em 2018 - que teve 500.727 pessoas habilitadas a votar em outros pa√≠ses. Em relação a 2014, o n√ļmero quase dobrou: naquela eleição, foram 354.184 eleitores com condições de participar do pleito fora do Brasil. O voto no exterior ser√° exercido por 0,45% do total do eleitorado brasileiro.

Nome social

O n√ļmero de eleitores que vão votar com o nome social em 2022 alcançou 37.646 pessoas. Em 2018, foram 7.945 pessoas que votaram com o nome pelo qual se identificam - um crescimento de 373,83%. Nesse grupo, 20.129 pessoas se apresentam com nome feminino. Outros 17.517, com o nome masculino. O nome social é a garantia do uso de um nome que corresponda a um g√™nero com o qual a pessoa se identifica.

Fachin v√™ "pujança c√≠vica"

O presidente do TSE, Edson Fachin, afirmou que os dados mostram o engajamento do brasileiro: "Os dados que hoje divulgamos sobre o eleitorado brasileiro demonstrar a pujança c√≠vica no Brasil são mais de 156 milhões de eleitores e eleitoras que compõem no cadastro eleitoral o maior eleitorado da história brasileira. É com esta perspectiva de organizar, de preparar e de realizar eleições que são essenciais para democracia, que são essenciais para o Estado Democr√°tico de Direito que o Tribunal Superior Eleitoral torna p√ļblico o resultado final da sistematização do cadastramento eleitoral no Brasil", afirmou.

O ministro voltou a destacar a segurança e a confiabilidade do sistema de votação. "É um serviço que a Justiça Eleitoral presta como ali√°s tem feito em 90 anos de exist√™ncia, em mais de 25 anos do sistema eletrônico de votação em prol da democracia, de um sistema seguro, transparente e audit√°vel".