Trem Republicano traz o Barreado para Salto e região através do aconchegante Restaurante Stazione

Tradicionalmente, essa receita é feita em uma panela de barro pesada, que é esquentada a uma alta temperatura e mantida assim por muito tempo, enquanto é feito o cozimento, cerca de 20 horas.

Trem Republicano traz o Barreado para Salto e região através do aconchegante Restaurante Stazione

A cultura popular brasileira tem criado coisas especiais em todas as áreas, mas, principalmente, na culinária. Pratos populares como a feijoada, arroz tropeiro, vatapá e tutu à mineira são iguarias apreciadas dentro e fora do País. Nessa lista não poderia faltar o Barreado, uma das mais requintadas criações da cozinha típica nacional. Trata-se de um prato simples e exótico, degustado há mais de 200 anos por caboclos das encostas da Serra do Mar, no litoral do Paraná. Durante mais de século, foi consumido apenas por moradores nativos das cidades de Antonina e Morretes, durante a festa do Entrudo, que deu origem ao Carnaval. Depois da folia, o barreado era servido para "forrar" o estômago.

Com o decorrer do tempo, passou a ser servido também nas celebrações religiosas, que até hoje atraem milhares de pessoas àquelas bucólicas cidades com o propósito único de degustar um bom Barreado. Disputa-se em Morretes não apenas um lugar nos restaurantes, mas sobretudo a paternidade do prato. Isso tem causado acirradas disputas entre Morretes, Antonina e Paranaguá. Outra versão defende que o Barreado incorporou-se à culinária cabocla através dos tropeiros que subiam e desciam o litoral pelos caminhos das serras e que no final da tarde, faziam uma densa refeição ao cair da noite quando acampavam para o pernoite. Alguns explicam que o louro é utilizado como tempero por suas propriedades digestivas, já que o barreado é um prato pesado. Afirma-se também que no passado, o Barreado, para ser degustado, deveria permanecer por, no mínimo, 20 horas no fogo, até ficar no ponto.


De um jeito ou de outro, todos concordam que a cachaça sempre acompanhou e deve continuar acompanhando o barreado. Símbolo de fartura, de festa e alegria, o nome do prato vem da expressão barrear a panela, isto é: vedar com pirão de farinha de mandioca e cinza para não se perder a fervura.Outros dizem que a origem do termo está ligada ao utensílio de barro utilizado para fazer o cozido. Hoje, a disputa entre Morretes, Antonina e Paranaguá, para se tornar o único mais típico prato do litoral paranaense continua. Em Antonina há uma forte tradição carnavalesca, existe a tendência em associar o Barreado ao Entrudo. Em Morretes, a origem do barreado é ligada aos tropeiros, que durante o ciclo da erva doce, traziam do planalto quando desciam o caminho da Graciosa, um cozido bem temperado que durasse muitos dias e não se deteriorasse. E o Barreado durava exatamente o tempo utilizado pelos tropeiros, até que alcançassem o Porto de Cima.


A grande dificuldade para a massificação do Barreado é o seu tempo de preparação e cozimento, um ritual que leva de 16 a 20 horas. Tentativas de reduzir este tempo com a utilização de meios modernos como a panela de pressão não surtiram bons resultados, pois alteram seu sabor peculiar. O prato não tem muito tempo que subiu a serra, no início dos anos 70 passou a fazer parte da gastronomia dos restaurantes de Curitiba. E de Curitiba para Salto, foi um pulo. Com a instalação do restaurante STAZIONE na estação do Trem Republicano - que fica na praça Álvaro Guião - não só os visitantes podem a partir de agora, degustar o verdadeiro Barreado, mas também os saltenses.


Tradicionalmente, essa receita é feita em uma panela de barro pesada, que é esquentada a uma alta temperatura e mantida assim por muito tempo, enquanto é feito o cozimento, cerca de 20 horas. O restaurante Stazione priorizará receitas ítalo-brasileiras, valorizando ingredientes da região e produtores locais. O toque paranaense do novo endereço ficará por conta da inclusão no menu do barreado - iguaria típica do Paraná - e da cachaça de Morretes. "Esse restaurante integra nosso projeto do Trem Republicano, assim como o Stazione a ser inaugurado em outubro na estação ferroviária de Itu", comenta Adonai Arruda.


O Barreado consiste em um ou mais tipos de carne bovina de segunda e magra, como o patinho, maminha ou paleta, temperados com alho, cebola, toucinho de porco, pimenta do reino, louro, cominho e cozida até desmanchar. Logo, é misturado a farinha de mandioca e servida com arroz branco e banana da terra. Para assentá-lo, uma boa cachaça...

O restaurante Stazione abre oficialmente nesta sexta, 24 de setembro, com funcionamento de terça a sexta para almoço (das 12h às 15h) e para o jantar (das 18h30 às 22h), Aos sábados, domingos e feriados, para almoço (das 12h às 16h) e jantar (das 18h30 às 22h). Fica na praça Álvaro Guião, nas dependências da Estação Ferroviária, no centro de Salto.

Bom apetite!